A- A A+

A Plataforma de Gestão da Informação do Turismo de Santa Catarina está sendo elaborada pelo núcleo de estudos e pesquisas que analisa o comportamento do mercado turístico.

Nas suas diversas áreas de investigação, as informações são dirigidas aos profissionais, especialistas, acadêmicos, agentes públicos e privados, nas tomadas decisórias com propósito de conhecimento, aprimoramento e desenvolvimento do setor turístico.

 

Dados

Atualmente existe uma infinidade de fontes de dados construídos por instituições públicas e privadas que quantificam diversas situações. O desafio é transformar esses dados em informações que auxiliem na visualização do comportamento e no direcionamento das decisões, visando um melhor resultado. 

A Plataforma de Gestão da Informação do Turismo de santa Catarina está pautada no uso de processos metodológicos de coleta de dados e geração de informação, que permitem aos níveis gerenciais e de direção, fazerem uso dessas informações nos processos decisórios e em comunicações organizacionais da área turística. 

 

Índice de Competitividade dos Destinos Indutores de Santa Catarina

O Índice de Competitividade dos Destinos Turísticos é um trabalho iniciado em 2008 pelo Ministério do Turismo - MTur, Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas - SEBRAE e a Fundação Getúlio Vargas - FGV, que tem por objetivo entender as transformações do mercado turístico nos últimos anos, sendo atualizado sistematicamente para captar com profundidade o desenvolvimento dos principais destinos turísticos brasileiros. Este Índice busca, por meio de 13 dimensões (agrupadas em subdivisões chamadas de variáveis), mensurar "a capacidade crescente de gerar negócios nas atividades econômicas relacionadas com o setor de turismo, de forma sustentável, proporcionando ao turista uma experiência positiva". Em Santa Catarina os municípios analisados são Florianópolis, Balneário Camboriú e São Joaquim.

Periodicidade dos dados: anual.

*Em 2012 não houve publicação.

Indices Gerais CompetitividadeFonte: MTur

Na análise geral dos anos apresentados, Florianópolis e Balneário Camboriú tiveram melhor desempenho médio nas dimensões avaliadas em 2015 e São Joaquim em 2014. Apesar de um desempenho bastante inferior aos de Balneário Camboriú e Florianópolis, verifica-se que São Joaquim apresenta um crescimento gradativo ao longo dos anos, com ligeira queda registrada apenas no último índice (2015). 


 

13 dimensoes indice de competitividade

 Fonte: MTur

No ano de 2013, das 13 dimensões apresentadas, Santa Catarina obteve um desempenho melhor em 6 dimensões em relação à media dos anos analisados. A saber: Atrativos Turísticos, Capaciddade Empresarial, Aspectos Culturais, Aspectos Sociais, Serviços e Equipamentos Turísticos e Economia Local.

 

Mais Informações

Índice de Competitividade por Dimensões

 

Movimentação do Transporte Terrestre - Terminal Rita Maria - 2010 a 2016

 

MOVIMENTAÇÃO TERMINAL RITA MARIA

 

Segundo informações fornecidas pelo DETER, no período de 2010 a 2016, o número total de passageiros no Terminal Rita Maria (Florianópolis) teve uma média de 2.725.266 passageiros, sendo que a menor quantidade foi registrada no ano de 2010, com 2.362.466 passageiros, e a maior em 2012, quando passaram por suas instalações 2.918.658 pessoas.

 

Número Total de Passageiros e Média 2010 2016

 

Percentualmente, pode-se notar que a proporção entre passageiros chegando, partindo ou em trânsito no Terminal Rita Maria se manteve praticamente a mesma durante o período de 2010 a 2016.

 

Contribuição Percentual de Saídas Chegadas e Trânsito por Ano 2010 2016

 

Durante a temporada de verão (dezembro, janeiro e fevereiro), observa-se que a movimentação média no período de 2010 a 2016 foi de 831.267 pessoas. A temporada 2011/2012 foi a que recebeu o maior número de passageiros, com 921.794 pessoas, seguida da temporada de 2015/2016, quando passaram por ali 901.482 pessoas. Em contrapartida, a temporada 2016/2017 foi a que apresentou o menor número de passageiros, apenas 566.131.

 

Total de Passageiros Durante as Temporadas Dez a Fev e Média 2010 11 2016 17

 Fonte: DETER

Movimentação do Transporte Terrestre - Fronteira Santa Catarina/Argentina - 2013 a 2017

 

Dionísio Cerqueira (SC) e Bernardo de Irigoyen (Argentina)

 

Dionísio Cerqueira, no extremo oeste de Santa Catarina, é a porta de entrada para muitos turistas argentinos que pretendem passar a temporada no Brasil.

De 2013 a 2017, a média de entradas e saídas por essa fronteira no mês de janeiro foi de 77.056 pessoas, alcançando em 2016 o seu maior número até o momento (112.370), como se pode observar no gráfico abaixo:

 

Entrada e Saída de Pessoas e Média no mês de Janeiro – 2013 a 2017

 

Total Entradas Saídas de pessoas em JANEIRO e Média do mês

 

A média de entradas e saídas durante o mês de fevereiro no período de 2013 a 2017 é um pouco menor do que a média do mês de janeiro, ficando em 53.284 pessoas. O maior número de pessoas transitando por esta fronteira no mês de fevereiro foi observado em 2017, quando foram registradas 67.571 entradas e saídas.

 

Entrada e Saída de Pessoas e Média no mês de Fevereiro – 2013 a 2017

 

Total Entradas Saídas de pessoas em FEVEREIRO e Média do mês

 

Em ambos os casos analisados, janeiro e fevereiro, é possível perceber uma "curva de crescimento" que inicia em 2014 e 2013, respectivamente  e que registrou no período 63% e 89% de crescimento. 

Fonte: Polícia Federal

Movimentação do Transporte Aéreo - 2006 a 2016

 

 

Perfil do Turista Estrangeiro - Fronteira Dionísio Cerqueira (NFSC)

Perfil do Turista Estrangeiro na Fronteira Argentina/Dionísio Cerqueira - Temporada 2016/2017

Durante a temporada de verão 2016/2017, a Secretaria de Estado de Turismo, Cultura e Esporte, em conjunto com a Agência de Desenvolvimento Regional de Dionísio Cerqueira, realizou a primeira pesquisa sobre o Perfil do Turista Estrangeiro – Fronteira Dionísio Cerqueira, no âmbito do Núcleo Estadual de Integração da Faixa de Fronteira de Santa Catarina (NFSC)*.

O objetivo da pesquisa era obter informações sobre os turistas estrangeiros que entram no estado pela fronteira seca de Dionísio Cerqueira, a fim de subsidiar a estruturação de políticas de turismo em todo o território catarinense, e, em especial, na região de faixa de fronteira.

Entre os dados obtidos, a pesquisa confirmou que a principal motivação dos turistas durante este período é a visitação de atrativos de sol e praia (56% dos entrevistados), seguida pela visitação a atrativos culturais (23%) e pelo ecoturismo ou turismo de aventura (12%).

Muitos turistas afirmaram que costumam explorar outras localidades até chegarem ao seu destino final. Penha (16%), Itapema (13%), Florianópolis (8%) e Parque Beto Carrero (6%) foram as opções mais citadas. Os motivos apontados por aqueles que afirmaram que não visitariam qualquer outro atrativo além do principal, foram: falta de tempo (34%), orçamento limitado (32%) e desconhecimento das opções (22%). A estes turistas que afirmaram que não visitariam outros atrativos, foi perguntado o que motivaria uma parada antes do destino final. As opções mais citadas foram: sol e praia (51%), cultura (23%) e natureza, ecoturismo e turismo de aventura (18%).

Os principais locais de pernoite citados pelos visitantes estrangeiros foram os municípios de Campos Novos (23%), Dionísio Cerqueira (13%), Lages (13%), Chapecó (10%) e Joaçaba (9%).

 

  Confira aqui a pesquisa completa

  Confira aqui  o resumo da pesquisa

 

 (*) O Núcleo Estadual de Integração da Faixa de Fronteira de Santa Catarina (NFSC) tem a atribuição de coletar e sistematizar dados voltados à melhoria da gestão multissetorial do Poder Executivo estadual, em apoio ao desenvolvimento e à integração da região de faixa de fronteira. A SOL é responsável pela coordenação da Câmara Temática de Turismo, Cultura e Esporte do NFSC desde a sua instituição através do Decreto 2.292 de 16 de julho de 2014.

 

Oferta Turística por Região

 

Santa Catarina possui 12 regiões turísticas compostas por 184 municípios integrantes do Mapa do Turismo Brasileiro 2016. Pesquisa realizada durante o primeiro semestre de 2017, pela Gerência de Políticas de Turismo – GEPOT, com estes 184 municípios, com o intuito de identificar a oferta turística da região obteve 76% de taxa de resposta (139 municípios responderam ao questionário aplicado), sendo que a região turística Serra Catarinense atendeu à solicitação na sua totalidade, conforme se pode observar no gráfico abaixo:

 

Grafico Andamento das respostas IGRs 

 

Segundo os dados fornecidos pelos municípios, existe atualmente um total de 6.898 restaurantes e a rede hoteleira conta com 86.405 unidades habitacionais, distribuídas em 1.857 meios de hospedagem (hotéis, pousadas, hostels, etc.). Além disso, foram informadas 893 agências de viagem e 691 espaços de eventos.

 

Grafico Oferta Total

 

Os gráficos seguintes mostram a distribuição dos dados mencionados por região.

 

82% dos municípios da região Caminhos do Alto Vale respondeu ao questionário, informando a existência de 131 restaurantes e 99 espaços de eventos:

 

04. Caminhos do Alto Vale

 

93% dos municípios da região Caminho dos Canyons informou um total de 75 meios de hospedagem e 22 agências de viagem:

 

01. Caminho dos Canyons

 

Sete dos nove municípios da região Caminhos da Fronteira informaram que existem 398 unidades habitacionais em 14 meios de hospedagem:

 

03. Caminhos da Fronteira

 

A região Caminho dos Príncipes informou a existência de 1.101 restaurantes e 239 agências de viagem:

 

02. Caminho dos Príncipes

 

75% dos municípios da região Costa Verde & Mar informaram que há 67 espaços de eventos e 21.887 unidades habitacionais, distribuídas em 382 meios de hospedagem:

 

05. Costa Verde Mar

 

Apenas 45% dos municípios integrantes da região Encantos do Sul responderam que há um total de 22 agências de viagem e 144 restaurantes na região:

 

06. Encantos do Sul

 

A região Grande Florianópolis conta com 580 meios de hospedagem e 165 espaços de eventos:

 

07. Grande Florianópolis

 

Três dos quatro municípios integrantes da região Grande Oeste informaram a existência de 78 restaurantes e 15 agências de viagem:

 

08. Grande Oeste

 

Todos os doze municípios da região Serra Catarinense responderam ao questionário, informando que há 5.052 unidades habitacionais nos 235 meios de hospedagem da região:

 

09. Serra Catarinense

 

As informações dadas pelos municípios da região Vale das Águas que responderam ao questionário apontam para a existência de 9 espaços de eventos e uma agência de viagem:

 

10. Vale das Águas

 

91% dos municípios da região Vale do Contestado informaram 6.586 unidades habitacionais em 136 meios de hospedagem:

 

11. Vale do Contestado

 

Na região Vale Europeu, 65% dos seus municípios registrou a existência de 68 agências de viagem e 336 restaurantes:

 

 

12. Vale Europeu

Fonte: Secretaria de Estado do Turismo, Cultura e Esporte

 

Parques Nacionais - 2004 a 2016

 

Desde 2004, o número de visitantes nos Parques Nacionais de Aparados da Serra, Serra Geral e São Joaquim vem crescendo paulatinamente. Os dados referentes ao Parque Nacional de São Joaquim começaram a ser disponibilizados a partir de 2012, quando a movimentação de visitantes passou a ser controlada, pelo ICMBio (Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade).

 

Número Total de Visitantes nos Parques Nacionais 2004 2016

 

O gráfico abaixo demostra a média mensal de visitantes de cada parque. Pode-se notar um aumento da afluência nos meses de janeiro e julho, especialmente no Parque de São Joaquim, cujo principal e notório atrativo é a possibilidade da ocorrência de neve no inverno.

 

Média de Visitantes nos parques nacionais por mês 2004 2016

Fonte: ICMBio

Cadastur - Número de cadastros 2015 - 2017

 

O Cadastur é o sistema de cadastro de pessoas físicas e jurídicas que atuam no setor de turismo. O programa é executado pelo Ministério do Turismo, em parceria com os órgãos oficiais de turismo nos 26 estados e no Distrito Federal.

 

Em Santa Catarina, o crescimento médio de cadastros no período de 2015 a 2017 foi de 6,8%, passando de 1977 cadastros em 2015 para 2111 cadastros em fevereiro de 2017. Em 2016, houve um crescimento de 10,6% no número de cadastros.

 

  

O número de cadastros obrigatórios regulares por atividade se manteve relativamente estável no período de 2015 a 2017, com um crescimento médio de 4,9%. Os destaques foram as categorias de Transportadoras Turísticas e Guias de Turismo, com um crescimento de 38,8% e 45%, respectivamente, no período.

  

Cadastros obrigatórios regulares por atividade (2015 a 2017)

 

O número de cadastros não obrigatórios regulares por atividade apresentou acréscimo expressivo no período de 2015 a 2017, com um crescimento de 44,2%, com destaques na categoria de Prestador de Infraestrutura de Apoio para Eventos e Prestador Especializado em Segmento Turístico, com crescimento de 90,6% e 120% respectivamente.

 

 Cadastros não obrigatórios regulares por atividade (2015 a 2017)

 

 Devido às ações de sensibilização e conscientização que a SOL vem implementando desde o início de 2017, o número de cadastros obrigatórios e não obrigatórios tende a aumentar consideravelmente ao longo do ano.  

Fonte: Cadastur

 

Recursos Públicos para o Turismo - 2010 a 2016

 

Os investimentos públicos no turismo de Santa Catarina ora apresentados, se referem ao Fundo Estadual de Incentivo ao Turismo – FUNTURISMO, instituído no âmbito do Sistema Estadual de Incentivo ao Turismo, Esporte e Cultura – SEITEC, que tem por objetivo prestar apoio financeiro de projetos voltados à área turística. O levantamento compreende os recursos públicos aplicados na área do turismo por região turística e programas de 2010 a 2016.

O montante aplicado exclui descentralizações e estornos, sendo somente considerado o valor efetivo aplicado pela Secretaria de Estado de Turismo, Cultura e Esporte. Na sequência, é apresentado o comparativo ano a ano que permite analisar a evolução do fomento na área turística em cada região catarinense, bem como são apontados os programas e sua evolução ao longo dos períodos.

 

Comparativo valor total recebido por Região Turística – 2010 a 2016

 

No período de 2010 a 2016, o valor total recebido pela região da Grande Florianópolis alcançou os R$ 25.383.307,70, o que representa 34,5% do valor total disponibilizado. No mesmo período, a região Caminhos da Fronteira foi a que recebeu menor valor, R$ 180.000,00, representando 0,2% do total.

 

Valor total e percentual disponibilizado por reg. tur. 2010 2016

 

Projetos Aprovados x Valor Disponibilizado

 

Como mostra o gráfico abaixo, os recursos aplicados no turismo, assim como o número de projetos contemplados, diminuíram de R$ 34.109.836,49 em 2010, quando 151 projetos receberam recursos, para R$ 3.028.492,95, distribuídos entre 11 projetos, em 2016.

 

Projetos aprovados x valor disponibilizado por ano

 

Caminho dos Canyons

Os destaques da região turística Caminho dos Canyons ocorreram em 2013, quando teve 7 projetos aprovados, e em 2014, quando teve R$ 849.871,77 disponibilizados.

 

Proj. aprov. x valor Caminho dos Canyons 

 

Caminho dos Príncipes

A região Caminho dos Príncipes se destacou em 2011, com 11 projetos aprovados, e em 2012, quando recebeu R$ 1.730.000,00.

 

Proj. aprov. x valor Caminho dos Príncipes

 

Caminhos da Fronteira

A região Caminhos da Fronteira teve 2 projetos aprovados, recebendo R$ 180.000,00 em 2010.

 

Proj. aprov. x valor Caminhos da Fronteira

 

Costa Verde & Mar

Em 2010, a região Costa Verde & Mar recebeu o maior valor de recursos, R$ 5.031.432,12, com 23 projetos aprovados e posteriormente, em 2013, os recursos somaram R$4.804.656,83.

 

Proj. aprov. x valor Costa Verde e Mar

 

Encantos do Sul

A região Encantos do Sul destacou-se em 2011, tendo recebido R$ 3.724.632,66, com 17 projetos aprovados.

 

Proj. aprov. x valor Encantos do Sul

 

Grande Florianópolis

Os destaques da região da Grande Florianópolis foram em 2010, quando recebeu R$ 14.483.560,98, e em 2011, quanto teve 65 projetos aprovados.

 

Proj. aprov. x valor Grande Florianópolis

 

Grande Oeste

Em 2010, a região Grande Oeste recebeu R$ 650.000,00, e em 2011 teve 5 projetos aprovados.

 

Proj. aprov. x valor Grande Oeste

 

Serra Catarinense

Em 2010, a região Serra Catarinense teve destaque, com 11 projetos aprovados, e no ano seguinte, 2011, recebeu R$ 3.511.467,87.

 

Proj. aprov. x valor Serra Catarinense

 

Vale do Contestado

O destaque da região Vale do Contestado ocorreu em 2010, quando recebeu R$ 7.047.433,28 e teve 12 projetos aprovados.

  

Proj. aprov. x valor Vale do Contestado

Vale Europeu

A região Vale Europeu obteve destaque em 2010, com 21 projetos aprovados e R$ 3.357.093,84 recebidos.

 

Proj. aprov. x valor Vale Europeu

 

Fonte: Os dados foram extraídos da Secretaria de Estado da Fazenda – SEF, por meio do Portal da Transparência.

 

Mais Informações:

Recursos Públicos por Região Turística

 

 

Contato

Observatório do Turismo de Santa Catarina
+55 (48) 3665-7459
Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo.Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo.

Nossa Equipe:

Luana Emmendoerfer
Analista de Turismo - Coordenadora Técnica

Sandra W. Silveira de Añez
Analista Técnico Administrativo - Apoio Administrativo

João Daniel Frutuoso
Estagiário - Matemática 

 

Desenvolvimento: logo ciasc rodape | Gestão do Conteúdo: SOL | Tecnologia: Open Source | Acesso restrito