A- A A+

A partir da terça-feira, 14, duas novas exposições reforçam aas comemorações dos 156 anos do nascimento do poeta Cruz e Sousa no Museu Histórico de Santa Catarina, espaço administrado pela Fundação Catarinense de Cultura (FCC), em Florianópolis. A mostra “Dizer e Ver Cruz e Sousa” e a intervenção ao ar livre “Abalo” são ações coletivas que reunirão mais de 40 artistas. A abertura será às 19h, com entrada gratuita e as participações do cantor e compositor Pepê e do intérprete João Batista Costa.

abalo museu cruz sousa

Os dois projetos se somam à exposição “Lendo e Relendo Cruz e Sousa”que abriu no final de outubro e também é alusiva ao aniversário do poeta simbolista, cujo nome batiza o palácio que abriga o Museu Histórico de Santa Catarina. “Dizer e Ver Cruz e Sousa” é uma coletiva que reúne obras de 29 artistas, como Adriana Mdos Santos, Albertina Prates, Carlos Asp, Clara Fernandes, Diego de los Campos, Loro, Silvana Leal, e que dialogam com aspectos da vida e obra do simbolista. A curadoria é das professoras do Centro de Artes (Ceart) da Udesc Rosângela Cherem e Juliana Crispe.

Tijolos poéticos

Já “Abalo” foi idealizada como uma intervenção artística que tomará os jardins do palácio. Tendo à frente 16 artistas, entre elas Andreza Guerner, Rosana Bortolin, Marta Martins e Anete George, a mostra consiste em duas instalações: uma com troncos de madeira e outra com tijolos. Na primeira, os troncos exibirão colagens e trechos de poemas do simbolista para construir uma espécie de “paisagem humana do Brasil”. A segunda terá como matéria-prima tijolos de cerâmicas que trarão impressos palavras extraídas dos poemas “Livre!”, “Litania dos Pobres”, “Tortura Eterna” e “Invulnerável”. Cada tijolo representará uma palavra e eles serão colocados nos jardins do palácio para que sejam manipulados pelo público, formando novos versos.


Cisne Negro

Grande poeta, João da Cruz e Sousa foi um dos precursores do Simbolismo no Brasil. Recebeu a alcunha de Dante Negro ou Cisne Negro. Nasceu em Nossa senhora do Desterro (24 de novembro de 1861) e faleceu em Minas Gerais (19 de março de 1898). Hoje, empresta seu nome ao Museu Histórico de Santa Catarina Palácio Cruz e Sousa, onde também estão depositados seus restos mortais.

O Museu Histórico de Santa Catarina está localizado na Praça XV de Novembro, no Centro de Florianópolis. Está aberto à visitação de terça a sexta-feira, das 10h às 18h; também aos sábados, domingos e feriados, das 10h às 16h. Mais informações pelo telefone (48) 3665-6363.

Informações: (48) 3665-63653/site: www.fcc.sc.gov.br/ e-mail: Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo.

Fonte: Assessoria de Comunicação FCC

Desenvolvimento: logo ciasc rodape | Gestão do Conteúdo: SOL | Tecnologia: Open Source | Acesso restrito